[ editar artigo]

Itajaí será a única parada da América Latina da The Ocean Race

Em 2022 será realizada mais uma edição da maior regata de volta ao mundo, a The Ocean Race. E, diante disso, Itajaí será a única parada da América Latina do evento.

A competição deve chegar à cidade no primeiro semestre de 2022 e é a quarta quarta vez consecutiva que ela passa pelo município catarinense. O anúncio oficial foi feito na última quarta-feira (16), em coletiva de imprensa, que reuniu a presidente da Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur), Flavia Didomenico, o prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni e o presidente da Amfri, Fabricio Oliveira.

De acordo com Richard Brisius, presidente da The Ocean Race, a expectativa é repetir o sucesso de público de edições anteriores. Em 2018, o evento registrou mais de 440 mil pessoas na Vila da Regata.

“É fantástico voltar a Itajaí após três paradas bem-sucedidas nas edições anteriores. Enfim, em 2018, ver a resposta da torcida local à velejadora Martine Grael foi um lembrete poderoso do que esse esporte significa para nossos fãs no Brasil” destacou.

Conforme informações da Santur, esta será a 11ª vez que o Brasil recebe os barcos da regata, que chega em sua 14ª edição. O município catarinense venceu a disputa com São Sebastião (SP).

Leia também: Começa a temporada de festas em Santa Catarina; veja a programação

Para a presidente da  Santur, Flavia Didomenico, o anúncio é uma conquista suada para Santa Catarina.

"Quero parabenizar Itajaí e dizer que o Governo do Estado está comprometido com o evento. Sabemos do retorno financeiro da The Ocean Race para Santa Catarina, mas também dos benefícios sociais, ambientais e no desenvolvimento econômico", afirma.

Impacto econômico

A última edição da The Ocean Race, nova identidade da Volvo Ocean Race, teve mais de R$ 83 milhões de impacto econômico em Santa Catarina – 28% a mais do que a parada de 2015. Ao todo, 75% desse montante ficou em Itajaí e região. O governo estadual arrecadou mais de R$ 5 milhões em impostos.

O setor hoteleiro do município foi o maior impactado, lucrando em torno de R$ 5 milhões com a disputa. A vinda da regata internacional também fez com que a rede hoteleira de Itajaí triplicasse o número de leitos para atendimento aos visitantes.

“Os benefícios desse evento vão além do turismo, por isso trabalhamos para trazê-lo de volta a Itajaí. A cada parada conseguimos evoluir na organização e tenho certeza que entregaremos uma edição ainda melhor que a última”, comenta o secretário de Turismo e Eventos de Itajaí e presidente da Itajaí Stopover em 2018, Evandro Neiva.

Agente de Valor
Ler conteúdo completo
Indicados para você