[ editar artigo]

Informações que você precisa saber para embarcar nas Olimpíadas de Tóquio 2020

Informações que você precisa saber para embarcar nas Olimpíadas de Tóquio 2020

Daqui a poucos meses (mais precisamente de 24 de Julho a 09 de Agosto) serão realizadas as Olimpíadas de 2020, e incontáveis turistas estão se preparando para prestigiar o evento. A sede escolhida foi Tóquio, a capital do Japão e um dos maiores centros financeiros do mundo!

Se você pretende assistir às Olimpíadas ao vivo e a cores, continue a leitura, porque iremos lhe contar tudo o que você precisa saber para viajar com segurança e curtir esse grandioso evento!

Programação

Antes de fazer qualquer viagem, você precisa saber pelo menos o básico a respeito do seu destino. Para começo de conversa, Tóquio não é propriamente uma cidade: é uma metrópole, constituída por 23 bairros, 26 cidades primárias, cinco cidades secundárias e oito vilas! Dá para ter uma noção do tamanho, não é?

Outra curiosidade interessante: já é a segunda vez na história que Tóquio recebe as Olimpíadas (sendo que a primeira foi em 1964)!

O Comitê Organizador Internacional (COI) estima que cerca de 4,5 milhões de pessoas irão para as competições – realizadas na Baía de Tóquio (capital) e região metropolitana (além de Sapporo, que fica a 832 km de Tóquio), em 43 locais definidos para os eventos. As partidas de futebol, por exemplo, vão ser disputadas em várias cidades, como Miyagi, Saitama, Sapporo, Yokohama e Fukushima.

Antes de comprar as passagens (vamos falar sobre elas na sequência), procure a versão mais atual da programação, para planejar a viagem da melhor maneira possível.

Os ingressos

(crédito: Victor Freitas)

Por questões de organização e segurança, cada país conta com uma empresa oficial para vender os ingressos  – no caso do Brasil, a MATCH Hospitality Ag. A reserva dos ingressos pode ser feita por meio deste site. Nele constam os valores de base e todas as especificações que a pessoa deve levar em conta antes da compra.

Segundo o site da Match, "o preço do ingresso é o valor de face, definido pelo Comitê Organizador Tóquio 2020, acrescido da taxa de serviço correspondente a 20% do valor de face, limitado a 6000 ienes por ingresso". Até o momento, ainda não foi definido como serão os procedimentos de entrega e/ou retirada dos ingressos, então é importante ficar de olho.

Os preços podem variar conforme a popularidade do esporte (o que faz com que os ingressos para vôlei, basquete e ginástica olímpica tenham um custo maior).

Existe a possibilidade de reajuste de valores, por isso mantenha uma "folga" no orçamento, para que um eventual aumento no preço não prejudique sua viagem.

Passagens aéreas e deslocamento

 

(Créditos: Reprodução Comitê de Organização das Olimpíadas Tóquio 2020)

Uma viagem do Brasil até o Japão não é das mais simples: primeiro, porque não há um voo direto daqui até Tóquio (os mais comuns passam por Los Angeles ou pela Europa, com escala em Paris, Frankfurt, Amsterdam ou Londres); e segundo, porque é longa, podendo ultrapassar 28 horas de voo.

Porém, não há por que se desencorajar com isso! Com um bom planejamento, é possível aproveitar as escalas para deixar a viagem ainda mais "completa". Além disso, com uma boa companhia aérea o deslocamento, mesmo longo, é muito confortável.

Ferramentas como o Google Flights ajudam a comparar valores, de modo que você consiga encontrar um voo que seja ao mesmo tempo bom e que caiba no orçamento. A princípio, os voos mais baratos devem custar em torno de R$4 mil (ida e volta).

Antes de viajar, você precisa de um visto especial! Os detalhes (valores, prazos, documentação etc.) estão disponíveis no site do Consulado Geral do Japão em São Paulo.

Um fato que deve tranquilizar qualquer viajante que for para Tóquio é que o transporte público da metrópole funciona muito bem – e, com um bom planejamento, não sai caro.

Há, por exemplo, a opção do Ticket All-Day Tokyo Metro, que por cerca de R$21 permite usar o metrô durante todo o dia; há também a opção Tokyo Metro + Toey Subway, que inclui ônibus, ao valor aproximado de R$34. O bilhete individual custa por volta de R$9,50 para se deslocar por até 27km (de 28 a 40 km, o valor sobe para R$10,60).

Se você quiser aproveitar para conhecer outras localidades do Japão, vale a pena conferir o JR Pass, que dá direito a usar o sistema de transporte da linha JR (trens-bala, trens convencionais, ônibus, teleféricos, balsas). Há passes de uma ou duas semanas, com valores a partir de R$272 por pessoa.

Vale reforçar que são valores aproximados, sujeitos a variações cambiais. Por isso é importante manter uma flexibilidade no orçamento, na medida do possível!

Na hora de escolher sua hospedagem, procure um local próximo a uma estação de metrô – assim, seja qual for o bairro, você estará bem localizado! As opções preferidas pelos turistas são Shibuya, Shinjuku, Ginza, Roppongi, Harajuko, Omotesando, Asakusa e Akasaka. 

Hospedagem e alimentação

(Crédito: Aleksandar Pasaric)

Uma opção interessante para quem está indo ao Japão pela primeira vez é o bairro Shibuya: agitado, com uma animada vida noturna, e bem servido no quesito "transporte público". As diárias de um hotel simples nesse bairro variam de R$190 a R$500.

Para uma estadia mais barata, vale a pena se hospedar em Asakusa, que além de ter fácil acesso ao metrô tem preços mais acessíveis por ser uma região "antiga" da metrópole. Lá, é possível encontrar diárias na faixa de R$80 a R$150.

O custo com alimentação é muito variável. O café da manhã, por exemplo, pode sair de R$17 a R$30; almoço, de R$27 a R$73; jantar, de R$35 a consideráveis R$105! Depende do câmbio, do bairro, da sua fome… 

De qualquer forma, comer nos locais de jogos tende a sair caro, porque o comércio de alimentos e bebidas fica restrito a empresas conveniadas. Se for para economizar, é melhor apostar em uma boa refeição antes de ir assistir aos jogos.

Internet na mão

Embora seja possível comprar um cartão de celular japonês no aeroporto, a solução favorita de muitos turistas é o wi-fi de bolso da Wi-Fi Hire, um pequeno roteador que permite que você se mantenha conectado o tempo todo durante a viagem.

Você reserva o aparelho antes da viagem, por meio de um site, informando o hotel, a data de reserva etc. Eles entregam na recepção junto com um envelope para devolução ao final da viagem. Cada aparelho pode ser usado por até dez pessoas ao mesmo tempo, o que é excelente para viagens em família ou em grupo (e torna o custo ainda mais acessível). 

O pacote mínimo de uso é de três dias (por cerca de US$28). No site há mais detalhes sobre planos e valores – só não deixe para fazer a reserva em cima da hora, porque eles precisam de tempo para entregar o aparelho no seu local de hospedagem.

Idioma

(Crédito: Aleksandar Pasaric)

Muitos viajantes vão ao Japão com a esperança de que um inglês básico será o suficiente para "se virarem". Contudo, é melhor contar com as expressões básicas da língua japonesa e ter em mãos um aplicativo de tradução.

Eis algumas expressões úteis para o viajante:

Por favor – kudasai

Obrigado(a) – arigatô (domo arigatô gozaimasu – pronuncia-se "gozaimas" é um "muito obrigado" mais formal, e mais usado).

Sim – hai

Não – iie/chigaimas

Ok – okê

Olá – konnichiwa (mais comum durante o dia)

Bom dia – ohayô gozaimasu 

Boa noite – Oyasumi nasai (quando for dormir ou se despedir)

Como vai? – O genki desu ka?

Eu estou bem – genki desu

Tchau – sayonará

Desculpe – gomen nasai

Com licença – sumimasen

Irashaimase – bem-vindo

Você fala Inglês? – eigo ga dekimasu ka?

Eu não falo japonês – nihongo wa dekimasen

Eu sou brasileiro – burajirujin desu

Há mais expressões fundamentais disponíveis neste site. Vale a pena também comprar um bom guia de viagem, que além das palavras mostre também questões culturais – o que com certeza vai ajudar você a "se misturar" melhor!

E aí, animado(a) para as Olimpíadas? Ficou com alguma dúvida? Conte nos comentários!

Agente de Valor
Ler matéria completa
Indicados para você