[ editar artigo]

​Turismo de nicho: quando pequenos grupos dão o tom

​Turismo de nicho: quando pequenos grupos dão o tom

Turismo religioso, ecoturismo, destination wedding, turismo de saúde... Viagens motivadas por interesses específicos são uma tendência dentro do turismo mundial. Partindo da ideia da experiência e personalização, esse público está encontrando em agências  de viagem especializadas o roteiro ideal para seus estilos de vida e desejos de viagens. 

Com grande potencial de crescimento, o turismo de nicho encontra no que foge do massificado o motivo de sua existência, ao mesmo tempo sua grande dificuldade, como explica Elton Bastos, cofundador da Vegan 4 you, agência especializada em atender o público vegano. Para ele, a limitação do público é uma dos grandes empecilhos de quem escolhe trabalhar com turismo de nicho, já que a comunicação deve focar no grupo certo. 

Gabriel Cordeiro, gerente geral da BTW Operadora comenta que o mercado ainda é restrito, mas que tem se desenvolvido nos últimos anos, expandindo suas opções. “Existem nichos mais restritos, mas há também aqueles mais consolidados como viagens com adolescentes para a Disney, wedding ou viagens com a terceira idade”. 

Para sobreviver em um mercado competitivo e que busca cada vez mais, a dica é uma só: estudar e perseverar. “Para trabalhar em um segmento tão restrito é necessário ter muito foco e, principalmente, conhecer bem seu cliente”, complementa Cordeiro. 

“É preciso vivenciar e entender do nicho em que se trabalha. É muito difícil vender mergulho se você não mergulha”, explica Bastos, que antes mesmo de criar sua agência já era vegano e junto com sua esposa criavam e pesquisam as melhores opções de roteiros, eventos e estabelecimentos para compor suas viagens. 

Dentro da tendência de segmentação, o wedding tem despontado nos últimos anos e, na vanguarda deste segmento no país, existe a Welcome Trips, que conta com a Welcome Wedding, uma produtora de casamentos. Eduardo Rodrigues, diretor comercial da agência, explica que a ideia de investir no segmento veio durante a crise que o país vivia há cinco anos e, que antes de casamentos, já se aventurou por outros nichos do turismo. “É preciso ter persistência, e entregar com qualidade aquilo que nos propomos a fazer”, explica. “Temos que assumir riscos”, completa.  

O Mapa do Turismo é uma coluna mensal, de responsabilidade da MAPA Comunicação Integrada. Sugestões de pautas e fontes devem ser enviadas para lara@mapacomunicacao.com.br.
Jornalista Responsável: Maria Priscila Alves Nabozni, MTb: 4926 DRT/PR

Agente de Valor
Ler conteúdo completo
Indicados para você