[ editar artigo]

BITO valoriza atuação e cobra posturas forte do CNT

BITO valoriza atuação e cobra posturas forte do CNT

Nossa entrevista de hoje é com Salvador Saladino, presidente da BITO (Associação Brasileira de Turismo Receptivo Internacional), entidade que integra o Conselho Nacional de Turismo (CNT).

Na visão de Saladino, “o Conselho Nacional de Turismo (CNT) vem cumprindo a finalidade de formular, coordenar e dirigir a política nacional de turismo como órgão colegiado de assessoramento superior”. A BITO entente que o CNT “constitui a estrutura básica do Ministério do Turismo, no qual se propõe formular e implementar políticas públicas dentro de uma gestão descentralizada, aberta e democrática”.

Para Salvador Saladino, “as diversas entidades que constituem o CNT participam ativamente e com extremo interesse em contribuir para um maior e melhor desenvolvimento do turismo no Brasil”.

Expectativa
 
Como entidade participante do CNT, devido à recente nomeação do Ministro Marcelo Álvaro Antônio, a BITO revela expectativa com as próximas reuniões do Conselho nacional de Turismo.

_ Estamos aguardando a convocação da primeira reunião do CNT em 2019, afirmou.
 
Identificação com o CETUR

Na opinião do presidente da BITO, “a atividade do turismo, em geral, está muito bem identificada com o Cetur (Conselho Empresarial de Turismo da CNC), onde as 25 entidades empresariais relacionadas com turismo fazem parte do mesmo. Recentemente, estas entidades todas, em forma conjunta com o Cetur, elaboraram e apresentaram a cada um dos presidenciáveis, propostas e necessidades surgidas de cada uma delas, entre elas, a ABAV NACIONAL. Da mesma forma, foram elaboradas propostas a candidatos a senadores e governadores”, recordou Salvador Saladino.

Promoção e venda do Brasil no exterior
 
Na condição de entidade atuante no importante segmento do Turismo Receptivo Internacional, a BITO salientou, através de seu presidente, “a imperiosa necessidade da reimplantação de um instrumento de promoção e venda do Brasil no exterior como significou o produto Varig, denominado “Brazil Air Pass”, que possibilitava programações turísticas que permitiam um real e efetivo desenvolvimento turístico regional através de excursões, incorporando estados como Paraná, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Alagoas, Ceará e outros estados do Brasil voltados ao serviço turístico internacional’. 

Saladino destacou que ‘esta proposta foi entregue ao então Ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, em 31 de agosto de 2013”.

Céus abertos
 
A BITO, enfatizou também a liberação para que empresas estrangeiras possam investir no mercado aéreo do Brasil.

“Finalmente, entendemos que, com a liberação total para empresas estrangeiras, podendo chegar a 100% do capital de participação de companhias aéreas no país, ampliando a proposta de Céus Abertos à complementação de produto como o exitoso “Brazil Air Pass”, que poderá vir a possibilitar o efetivo desenvolvimento turístico regional do Brasil”, reforçou o presidente Salvador Saladino.

Agente de Valor
Ler conteúdo completo
Indicados para você